hospital-do-cancer-velho

A Fundação começou a ser idealizada em 1990, inicialmente por José Gouveia do Carmo, Hermes Pereira Dourado e Fábio Guimarães. Seu José procurou os dois amigos após a morte da filha mais velha, o fato despertou nele o desejo de fazer algo que deixasse uma marca na história de Rio Verde e que também suprisse a falta de Angélica. Hermes e Fábio abraçaram a ideia que era uma vontade em comum e em 16 de fevereiro de 1991, foi criada, como entidade filantrópica.

A primeira diretoria

Ariovaldo Alceu dos Santos
José Gouveia do Carmo
José Lucas de Oliveira
Milton Vieira Ramos
Fabio Jaime Guimarães
Hermes Pereira Dourado
Reosmar Ferreira Campos
Alexandre Ovelino Gizzani Junior
Dr. Emílio Carlos Veloso Leão
Miguel Rodrigues de Oliveira
Dr. Luiz Braz da Silva

Presidente
1° Vice Presidente
2° Vice presidente
1° Tesoureiro
2° Tesoureiro
1° Secretário
2° Secretário
Diretor de comunicações
Diretor Clínico
Diretor de Patrimônio
Diretor Jurídico

Dada a importância de um hospital do câncer em Rio Verde e as necessidades da região, a comissão iniciou a busca de ajuda financeira. Com objetivo de atender todo sudoeste goiano, procuraram as prefeituras das cidades vizinhas, sem sucesso. Então procuraram os empresários e a população rioverdense, obtendo enfim a maior parte da verba para construir a primeira etapa.

Além de doações, eventos foram realizados. Na época existia um calendário de festas feitas por clubes e associações da cidade. A diretoria também organizou bingos, rifas e leilões para arrecadar o restante do valor necessário para concluir a obra. A área foi doada pela Prefeitura. O Governo Estadual contribuiu com equipamentos com mamógrafo, ambulância, RX, bisturi elétrico e mobílias.

Não há registros de todas as doações feitas na época, mas muitas empresas e pessoas contribuíram com o que podiam, com dinheiro, materiais ou com trabalho prestado para que o sonho saísse do papel.

O que fica bem claro é que a ideia surgiu de um pequeno grupo de pessoas, mas, que o HCRV foi construído pelo povo e é do povo

Fábio Guimarães, Hermes Dourado, José Gouveia do Carmo - três homens - uma história. Foi do desejo em comum de ajudar o próximo que surgiu a ideia de construir um Hospital do Câncer em Rio Verde.

Voltemos no tempo para entender como tudo começou. Em 1990, a vida desses três cidadãos rioverdenses e suas famílias seguia normalmente, até que o destino mudou o curso da história. Seu Zé e a esposa Maria Helena perderam a filha mais velha, Angélica, com apenas 19 anos. A jovem cursava odontologia em São Paulo e perdeu a vida num trágico acidente automobilístico. Depois disso ficou um vazio, como conta seu Zé “...depois do acidente em que perdemos nossa filha Angélica, ficou um vazio muito grande. É uma coisa que eu, minha esposa e nosso outros dois filhos nunca absorvemos. Quando veio a ideia de fazer algo que deixasse uma marca em Rio Verde. Foi aí que procurei meus amigos Hermes e Fábio que abraçaram a ideia.”

Os fundadores

Fábio Guimarães (rioverdense, produtor rural), Hermes Dourado (mineiro que adotou Rio Verde, funcionário público, advogado e professor), se uniram à causa que já era um comum. Juntos os três idealizadores alinharam as primeiras idéias. Para montar o projeto do Hospital e começar a desenvolvê-lo, eles contaram com várias mãos amigas que também sonhavam com isso, então foi formada uma diretoria com pessoas que sabiam da necessidade da obra. Mas para isso acontecer os fundadores tiveram que trabalhar muito, foram 11 anos para conseguir tirar o projeto do papel. Eles contaram com a ajuda de empresas de Rio Verde e da população em geral

Como gostam de frisar, “o HCRV foi construído pelo povo e é do povo.” Seu Zé Gouveia relata que graças a ajuda de dois empresários aqui da cidade, a primeira etapa do HCRV pode ser construída. “...só foi possível iniciar a construção do Hospital do Câncer de Rio Verde, porque recebemos ajuda financeira dos irmãos e empresários, Ariovaldo Alceu dos Santos e Arcélio Alceu dos Santos, que abraçaram a ideia e investiram o valor das primeiras obras, além de doar veículos para que pudéssemos fazer eventos como bingos e rifas e assim arrecadar mais verba. Eu confesso que se não fossem eles o hospital não existiria, somos muito gratos aos irmãos...

A gratidão é muito grande a todos que ajudaram de alguma forma. O sonho de tornar a Fundação em um Hospital Regional de Referência em Tratamento do Câncer, prestando atendimento especializado em oncologia ainda existe e falta muito pouco pra se tornar realidade. Podemos definir a história do Hospital do câncer de Rio Verde em três palavras: amor, sonho e luta.

hospital-do-cancer-velho